quarta-feira, 24 de março de 2010

Criação do Centro Missionário Diocesano Bracarense (CMDB)

“A consciência missionária na Igreja não pode ser feita apenas por cada carisma, como se cada um estivesse a pescar apenas para si nem se pode limitar apenas ao ofertório do Dia Mundial das Missões. Importa o trabalho de conjunto em que as actividades missionárias e o recrutamento de vocações seja, essencialmente, para a Igreja e, portanto, a necessidade de se criar uma estrutura que permita um trabalho missionário de conjunto, devidamente estruturado e organizado, que dê à Diocese um impulso missionário é urgente”.

Esta foi a ideia central exposta pelo Sr. D. Jorge Ortiga, numa reunião realizada em 28 de Janeiro de 2010, no salão nobre do Paço Episcopal, com a presença de representantes de Institutos Missionários Masculinos e Femininos, presentes na Arquidiocese de Braga e o Padre Lobato, responsável diocesano pela animação missionária nesta Arquidiocese. “Desejo – rematava o prelado bracarense - que a equipa a ser criada, possa trazer para a Igreja Diocesana de Braga, esta consciência de que o cristão é estruturalmente missionário”.

Estava dado o mote para a criação do CMDB. Neste sentido, seguiram-se duas outras reuniões: No dia 12 de Fevereiro com a presença de institutos missionários presentes na Diocese, o padre Lobato e o Sr. D. António Couto, responsável nacional para as missões e que, a pedido do Sr. D. Jorge, ficou como primeiro responsável criação deste CMDB. Desta reunião surgiu um esquema de trabalho para uma outra reunião, realizada a 6 de Março, e que, desta vez, contou também com a presença dos leigos agregados aos movimentos que se identificam com a espiritualidade dos diversos Institutos Missionários Ad Gentes e outros leigos de acção pastoral da Diocese, bem como com alguns párocos diocesanos, num total de 26 participantes.

Na linha do Sr. D. Jorge Ortiga, traçada na reunião de 28 de Janeiro, o Sr. D. Couto sublinhou que a Igreja Particular é o primeiro sujeito da Missão e que, por isso mesmo, a Missão é um compromisso de cada Baptizado e não apenas dos Missionários Ad Gentes. Realçando ainda mais esta ideia, o sr. D. Couto, citando uma afirmação contundente e explosiva do Bispo de Rimini, numa conferência aos bispos novos em Roma disse: “A evangelização, ou a fazem os leigos ou não se fará!”. A partir deste pensamento central, o Sr. D. António Couto, em partilha com os participantes desta reunião de seis de Março, traçou os objectivos da criação do CMDB:
1- Apresentar-se como a célula fundamental da vida missionária da Diocese de Braga.
2- Permitir um trabalho missionário de conjunto, devidamente estruturado e organizado, que dê à Diocese um impulso missionário”.
3- Congregar as forças vivas da Diocese a que se unam à volta do projecto missionário iniciado por Jesus Cristo.
4- Comprometer os leigos como agentes activos e não passivos da acção missionária na Diocese.
5- Traçar linhas pastorais de acção missionária dentro da Diocese como sejam: criação de grupos missionários paroquias ou arciprestais; encetar iniciativas de acção pastoral de cariz missionário, na diversas paróquias da Diocese; dinamizar uma pastoral do acolhimento, pôr em marcha a pastoral do envio missionário; criar o laicado missionário diocesano; incentivar a cooperação missionária com outras culturas através de uma participação concreta em projectos missionários e geminações.
6- Ser também um instrumento através do qual possa acontecer o despertar de vocações sacerdotais, missionárias e religiosas, dentro da dinâmica do compromisso laical.

Nesta reunião ficou acordado, por proposta do Sr. D. Couto, que o CMDB seria constituído por doze pessoas, quatro representariam todos os Institutos e congregações religiosas, masculinas e femininas, independentemente de serem especificamente missionárias de carisma ou não; quatro representantes do Clero Diocesano e quatro representantes dos leigos. Este grupo será, posteriormente o responsável por criar um documento que personalize este CMDB.

Depois da Páscoa, as sugestões dos potenciais representantes que formarão o CMDB serão apresentados ao Sr. D. Couto, após o qual serão iniciadas outras demarches para dar andamento a este projecto de forma a, no dizer de D. António Couto, “tornar toda a Diocese missionária e missionários todos os diocesanos!”.

Padre Frei José Dias de Lima OFM

terça-feira, 23 de março de 2010

Notícias da zona 1 – ANIMAG

SAM em Guilhabreu, Mosteró e Canidelo

Entre os dias treze e vinte de Março, nas paróquias de Canidelo, Mosteirô e Guilhabreu (Vila do Conde), realizou-se mais uma SAM organizada pela Zona 1 do ANIMAG. Participaram nesta SAM o padre Wandali Bava (Espiritano), o Padre Frei José Dias de Lima (Franciscano), Padre Joaquim Domingos Luis (Verbita), padre João Pereira Monteiro (Consolata), Emília Sebastião (Missionária Secular Comboniana), Irmã Conceição Pena ( Missionária Franciscana de NSª Srª da Vitórias) e Irmã Ana Cândida (Missionária do espírito Santo).

Desde já, apraz registar o empenho total do Pároco das três paróquias, o Rvmº Padre Carlos Duarte que, desde a preparação até à realização da SAM, esteve sempre em todos os momentos, não se poupando a esforços para nos acompanhar, apesar da sua idade, o que mais parecia um neo sacerdote na força da sua juventude do que um padre já com as suas bodas de ouro sacerdotais sobre os ombros e mais sete anos, no total de cinquenta e sete anos como pastor das gentes. Tocou-nos profundamente, a nós missionários, a sua preocupação em estar presente em todos os actos, andando continuamente de paróquia em paróquia, o carinho que demonstrou pela causa missionária, a admiração pela figura do missionário e da missionária na vida da Igreja, a satisfação por nos ter nas suas paróquias, o apreço que demonstrou pelo nosso trabalho e, sobretudo, a forma emocionada como se dirigia aos seus paroquianos, quando se tratava do bem espiritual do seu povo nas raras intervenções que fez, porque para ele importava apagar-se naqueles dias para deixar o espírito missionário invadir o coração dos fieis.

No dia 7 de Outubro de 2009, houve um primeiro encontro com o pároco, o padre Carlos Duarte, em Guilhabreu, no qual estiveram presentes o padre Wandali, o Frei José Lima, a Joana Veloso e a irmã Ana Cândida e no qual traçamos um esboço inicial de trabalho para esta SAM. No Encontro Anual, no Seminário de Vilar, no Porto, voltamos a falar desta SAM, dela demos conhecimento a todas as outras Zonas, e formamos as três equipas que farão parte da mesma. No dia 27 de Janeiro, já com a presença das equipas que estariam presentes na SAM, tivemos uma preparação próxima e acerto de actividades com o padre Carlos Duarte. Para além destes três encontros de preparação, houve ainda mais um outro encontro especificamente em cada paróquia, dos missionários com os agentes dessa paróquia onde se realizaria a SAM com o objectivo de se acertarem alguns detalhes finais, nomeadamente a hospedagem dos missionários. Graças a esta preparação intensiva, num total de quatro encontros, a SAM correu muito bem do princípio ao fim. Aqui, uma palavra de apreço e gratidão aos que acolheram os missionários em suas casas e também o acolhimento e a receptividade, muito positiva, por parte dos fieis nas diversas actividades que se foram desenrolando.

O tema central desta SAM, foi a Missão do Cristão na Vida da Igreja, tendo como pano de fundo o tema da Compaixão, reservado para este mês de Março, dentro do espírito da Missão 2010 que vive a Diocese do Porto.

Esta SAM abriu com a Eucaristia vespertina nas três paróquias, com a presença de todas as equipas em cada uma delas e, por isso, em horários diferentes, sendo estas apresentadas pelo pároco aos fiéis. Desta forma, todos os fiéis tomariam conhecimento da presença de vários missionários numa mesma missão e com o mesmo projecto, apesar de os carismas serem diversos, revelando assim um segundo objectivo, não menos importante que o primeiro ou seja, que apesar da diversidade de carismas, o Espírito é o Mesmo e é o mesmo Cristo que está presente e actua em tudo e em todos.

Durante a SAM, todos os objectivos que nos propusemos alcançar durante a mesma, foram cumpridos: visita às escolas; presença junto das crianças na catequese, juntos dos jovens nos encontros de catequistas e crismandos; presença junto dos doentes com a celebração Solene da Santa Unção, num contexto de celebração eucarística e também de visita aos doentes em casa; presença juntos dos casais no encontro com as famílias e presença junto do povo em geral através da eucaristia diária, da celebração da Via Sacra e de outros momentos de oração, adoração e Lectio Divina oferecidos ao povo. O sacramento da reconciliação foi também um momento forte que marcou esta SAM.

Na quarta feira tivemos uma avaliação intermédia de como estava a decorrer a SAM.
No Domingo o encerramento da SAM foi às 16.00, com uma grande festa comunitária, que uniu as três paróquias, na Igreja Mãe de Guilhabreu, e que contou com todos os missionários presentes na Missão e presidida pelo Sr. D. João, Bispo Auxiliar do Porto, para aquela Zona Pastoral de Vila do Conde-Trofa.

Este momento celebrativo teve como ponto central o Crisma de vinte e oito jovens daquelas Paróquias, e mais um de Penafiel. Mas, o que marcou este momento solene, foi o facto de, entre os crismandos, se encontrarem seis irmãs, da paróquia de Mosteiró, que primeiro foram baptizadas, a mais nova com treze anos e a mais velha com vinte e quatro, seguindo-se o casamento dos seus pais (que já estavam baptizados) e, por fim, o crisma destas meninas e dos seus pais com todos os outros jovens crismandos.

O Sr. D. João, ao dirigir-se aos jovens, entre outras coisas, sublinhou o carácter missionário daquele que recebe o Crisma e que ali não acabava a formação cristã do jovem, antes pelo contrário, ali começava o compromisso de cada um como cristão comprometido activamente com a Igreja e com o mundo.

No final da Eucaristia, o padre Carlos Duarte manifestou ao povo o seu agrado pela presença e trabalho dos missionários, fazendo votos que, no seu dizer “a sementeira que aconteceu estes dias, dê fruto e fruto em abundância”.

Para o dia 17 de Abril, ficou marcado um encontro de avaliação da SAM com os agentes de pastoral das três paróquias e que contará com a presença de todos os missionários que estiveram presentes na SAM ou que simplesmente estiveram na sua génese e preparação, como será o caso da Joana Veloso (Secular Comboniana).

Padre Frei José Dias de Lima OFM

sexta-feira, 19 de março de 2010

ZONA 2: ECOS DA SEMANA MISSIONÁRIA DE ESTARREJA / MURTOSA

.
Uma vez mais o ANIMAG da Zona 2, de 20 a 28 de Fevereiro, realizou uma Semana Missionária na diocese de Aveiro nos arciprestados de Estarreja e Murtosa. Cerca de 20 missionários (as), repartidos em 10 equipas, cada equipe em sua paróquia, despertaram as comunidades cristãs para a dimensão missionária da Igreja.

Da realização desta Semana Missionária salientamos a abertura e o encerramento. Na celebração de abertura todos os missionários foram enviados pelo Bispo diocesano e a cada paróquia foi entregue uma tocha missionária. O Sr. Dom António Francisco incentivou a todos para que essa actividade fosse para a região um momento de graça que ajude a todos a ser discípulos – missionários. Na conclusão da Semana, apesar da chuva, muita gente esteve presente e foi o momento do testemunho e da festa.

Do desenrolar da semana em cada paróquia, sublinhamos:
- O bom acolhimento e a participação (apesar da chuva e do vento) das pessoas para as actividades propostas: terços missionários, via-sacras, visita às escolas, visita às famílias e aos doentes, reflexões após as Eucaristias...
- A preparação da Semana. Se esta acção conjunta dos ANIMAG correu bem, deveu-se à sua preparação: párocos e missionários. Talvez tenha faltado um encontro prévio com o grupo mais activo de cada paróquia para juntos se darem conta do desafio que é uma Semana Missionária, programarem e trabalharem em conjunto.
- O empenho manifestado pelos párocos que, em geral, acompanharam sempre os missionários e mostraram interesse na realização da Semana.

Após a realização de mais uma Semana Missionária, perguntamo-nos: o que fica? O grande objectivo é ajudar que as nossas paróquias tenham rosto e coração missionários. Para que isso seja possível, é de desejar que em cada paróquia ficasse um grupo missionário. Graças a Deus, isso aconteceu em algumas paróquias. Mas, quem irá animar e fortalecer esses grupos? Que subsídios temos ao nosso alcance? Certamente que na reunião de avaliação da Semana, que irá acontecer dos párocos e missionários, esses assuntos virão ao de cima.

António Farias
.

terça-feira, 16 de março de 2010

Estão abertas as inscrições para o Curso de Missiologia 2010

O Curso de Missiologia é um curso de formação que visa a qualificação do missionário e, consequentemente, da Missão.

Tem como objectivos:
Apresentar as bases bíblico-teológicas da missão ad gentes.
Repensar a missão à luz do Vaticano II e dos documentos recentes do Magistério.
Percorrer as etapas mais importantes da história da evangelização e da reflexão missiológica.
Apresentar exemplos concretos da praxis missionária actual e preparar para os desafios da inculturação e do diálogo do Cristianismo com outras religiões.

A quem se destina?
. Membros dos Institutos Missionários Religiosos/as
. Sacerdotes diocesanos
. Missionários em férias
. Seminaristas e estudantes de teologia
. Candidatos ao Laicado Missionário
. Voluntários da Missão

Data:
23 a 28 de Agosto de 2010

Este ano corresponde ao 1º ciclo bienal e abordará os seguintes temas:
.A missão nos actos dos apóstolos
.A espiritualidade missionária
.A evangelização na época e no espaço dos descobrimentos
.A evangelização e as culturas: Os desafios da inculturação
.A mulher: sujeito e destinatário da missão

Docentes:
.Dom António da Rocha Couto - SMBN
.Padre José Antunes da Silva - SVD
.Padre David Sampaio Barbosa - SVD
.Frei José Nunes - OP
.Irmã Miriam Rotta - FSP

O curso será ministrado através de:
.Conferências
.Trabalhos de grupo
.Debates
.Plenários
.Workshops
.Testemunhos missionários

E inclui também:
.Convívio
.Celebração da Eucaristia e da Liturgia das Horas
.Terço Missionário na Capelinha das Aparições

Qualquer informação contactar:
Secretariado do Curso de Missiologia
Museu de Arte Sacra e Etnologia
Missionários da Consolata
Rua Francisco Marto, 52
Apartado 5
2496-908 FÁTIMA

por telefone ou fax:
Tel: 249 539 470 | Fax: 249 539 479

ou ainda, via email:
cursomissiologia@consolata.pt

Dados importantes:
Inscrição: 20€

Data limite de inscrições:
18 de Agosto de 2010

Alojamento:
Fica a cargo dos participantes.

No seminário da Consolata há possibilidade limitada de alojamento.
Marque quanto antes.
Quarto individual/duplo/triplo e refeições
Também há camaratas (para grupos)
Informar que é participante do Curso de Missiologia
Tel. 249 539 430

Informações úteis:
O curso tem início no dia 23 de Agosto às 9h00.
Termina no dia 28 às 13h00 com a entrega dos diplomas.

Inscreva-se AQUI.

quinta-feira, 11 de março de 2010

Evocar Maria Eugénia Caps

As Irmãs Espiritanas, celebram o dia de sua Fundadora a 16 de Março data em que na Suíça - Montana no ano de 1931, Eugénie partiu suavemente para Deus.

No Instituto, referimo-nos sempre à sua morte citando a palavra do Evangelho de S. João 12, 23-24, onde Jesus fala da sua glorificação, para dizer que também a missão e a entrega por amor aos outros encerra o segredo do grão de trigo.
Em verdade vos digo: se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas, se morre dá muito fruto.
Em tempo de Quaresma partilhamos e fazemos nossa a sua oração:

“O caminho é duro mas Vós, Senhor, o percorreste primeiro. Neste caminho de cruz encontro o vosso exemplo e este caminho é para mim um caminho de confiança e de encorajamento”.
Eugénie revelou-se uma mulher forte na acção, no apostolado, com uma energia que lhe vinha do interior. No seu percurso transparece o princípio muito simples e fundo: o segredo da missão fecunda não está em primeiro lugar na acção, ou no muito fazer, mas na união com Deus, na sua graça, na força que vem somente do Espírito. Esta é a fonte donde brota a missão cristã e onde todos refazemos as energias de fé e amor.
Pensamentos de Eugénie respigados nas suas cartas:
“Para Deus, todos os meios são bons para nos conduzir a Si.”
“Mil ocasiões se apresentam num só dia em que posso testemunhar o meu amor a Deus – amor prático.”
“Devo irradiar Jesus, mas para o irradiar preciso estar repleta d’Ele”.
“Tudo por Vós, meu Deus e pela salvação dos queridos negros da África”.
“Não posso conceber uma vida activa que não seja baseada numa vida muito, muito íntima com Deus”.
“Antes de tudo é preciso que as nossas almas se tornem verdadeiros templos do Espírito Santo.”.
“Se Vós, meu Deus estais comigo, tudo posso fazer por Vós.”.
“Deus não se deixa vencer em generosidade”.
“A cruz é a marca das obras de Deus.”.
“Conta ventos e marés Deus realizará a sua obra”.

Caminhar nos passos de Jesus com a Fundadora, eis o convite que nos é feito hoje, aqui e em toda a parte em que a Comunidade Espiritana marque presença.
Eugénie acolheu o nosso carisma fundador, dom do Espírito à Igreja e aos povos, consignado assim:
Consagradas a Deus, por Cristo, no Espírito Santo sob a protecção do Imaculado Coração de Maria, para a evangelização dos mais pobres.
Ir. Ascensão Lourenço