quarta-feira, 27 de maio de 2015

SEGUNDA SEMANA MISSIONÁRIA - VALPAÇOS - 8 A 15 DE MAIO DE 2015

I - ENVIO
            Esta segunda Semana de Animação Missionária (SAM), começou com a Celebração do Envio, no Santuário de Nossa Senhora da Saúde, dia 8 de Maio pelas 18h30, presidida pelo Sr. Bispo da Diocese de Vila Real, o Sr. D. Amândio Tomás Botelho, tendo sido um excelente lançamento da missão, particularmente pelas palavras do Pastor Diocesano, carregadas de incentivo missionário. Nesta Celebração Solene do envio, para além das palavras preciosas do Sr. D. Amândio, dois outros momentos marcaram o coração dos presentes, a entrega do Crucifixo de S. Damião a cada missionário, por parte do Sr. Bispo, e a entrega solene da Tocha Missionária por parte do Sr. Arcipreste, o Rvdº Padre Alberto, aos representantes de cada paróquia, alvo desta segunda Missão.

II - AVALIAÇÃO
            Na reunião de avaliação surgiram algumas opiniões muito positivas e gratificantes:
            Para a irmã Latícia, que pela primeira vez participou numa SAM, a presença dos missionários foi um despertar e um questionar-se, por parte das pessoas, sobre  quem é o missionário. Destacou ainda a excelente receção nas paróquias de Sanfins, Possacos, Vassal e Valverde, com a oferta aos missionários,  por parte dos leigos, de um lindo e enorme ramos de flores a cada um, e uma salva de palmas sentida e gradecida pela nossa presença
            Segundo o padre Leonel, pároco de Valpaços, Vassal e Possacos, a visita foi positiva pela forma simpática e alegre como os missionários abordaram as pessoas, tendo criado nelas um excelente espírito de abertura e uma boa receção à mensagem missionária, quer na Escola Secundária, quer na Catequese, quer nas paróquias e, sobretudo, na visita aos doentes dos seis lares visitados, pertencentes à sua área pastoral, onde se celebrou a Reconciliação, a Eucaristia e a Santa Unção.
            A procissão de Nossa Senhora de Fátima, que partiu do Bairro 1º de Maio, com a reflexão do terço missionário, teve uma participação massiva das pessoas que, ao chegar à Matriz, encheram por completo o enorme espaço em frente ao templo, onde, para além do sermão em louvor da Senhora de Fátima, proferido pelo Frei Lima, foi apresentado o vídeo missionário "Missão em Todo o Tempo e Lugar".
            O padre Jorge Amaro partilhou que cada vez mais estas SAM são Animação Missionária e Missão ao mesmo tempo, uma vez que as situações que encontramos em Portugal são já situações de missão e que a abordagem deve ir num duplo sentido: a missão, na vertente popular e ad gentes e a vocação pessoal, como testemunho a apresentar (o chamamento, a caminhada e depois um testemunho sobre a vivência missionária já vivida, no seu caso a vivência missionária na Etiópia) e assim o fez nesta mesma SAM, como sublinhou. 
            O padre Jorge, pároco de Ervões, Vilarandelo, Alvarelhos e Tinhela,  complementando a boa receção que a irmã Rosalina também referiu, por parte das pessoas, contou como em Alvarelhos, onde se esquecera de combinar as refeições dos missionários, quando na véspera se apressava para abordar o assunto com as pessoas, foram estas que o abordaram dizendo: "quanto à refeições dos missionários, já estamos a tratar disso!" Lamentou, porém, a fraca participação dos paroquianos de Vilarandelo, a quem dedicou grande parte desta missão.
            O padre Domingos Luís, disse que correu tudo muito bem e que, no encerramento das paróquias que foram destinadas a ele e à irmã Eugénia Lino, Leboção, Fiães, Sonim, Boucuais e Barreiros, e à responsabilidade do padre José Carlos,  haverá uma Eucaristia de Ação de Graças, seguindo-se um convívio-jantar,  com o povo.
            A irmã Maria Mendes e o padre Tavares referiram as celebrações marianas com as cores dos continentes e reflexões através do Terço Missionário nas paróquias onde estiveram envolvidos, Fornos, Pinhal, Santa Valha e Rio Torto, terminando sempre com uma apresentação em power point sobre o tema da semana missionária, "Familia Berço de Vida". O padre João Filipe, pároco desta últimas paróquias referidas, partilhou também da boa receção por parte dos paroquianos das suas paróquias aos missionários e mostrou-se agradado pelo facto de existir um contentamento geral pela sua presença lamentando apenas que, pelos seus afazeres, não tenha acompanhado mais os missionários que, segundo ele, tem feito um bom trabalho.
            

III- CONTINUIDADE
            O padre Jorge, pároco, perguntou aos missionários e aos seus colegas, depois da avaliação de todas as paróquias:
            "Daqui a um ano o que as pessoas guardaram desta Missão? Dedicamos muitas energias a esta iniciativa. E o seguimento disto? Acaba tudo no último dia desta SAM? Não será de pensar um seguimento, um acompanhamento, uma continuidade?
            Surgiram algumas sugestões:  
            Abordou-se a necessidade da criação de grupos missionários paroquiais.
            O padre Joaquim Domingos Luís propôs um curso de iniciação à Bíblia na área da formação, uma vez que é especifico do seu Instituto a Palavra de Deus e a formação do povo nesta dimensão pastoral, dispondo-se, ele mesmo, a participar nessa iniciativa.          O padre Jorge Amaro sugeriu a formação de um grupo de leigos paroquial que vá de porta a porta, comprometendo-se a ajudar na criação desse grupo, mas depois afirmando que o trabalho de continuidade deverá ser com os párocos.
            O padre Leonel, por seu lado contrapôs esta opinião do Padre Jorge Amaro, dizendo que a solução é aproveitar os que vão ter com os párocos às paróquias, mais que não seja para pedir algum serviço para uma qualquer festa a nível de sacramentos ou outra, e aí aproveitar para os consciencializar da sua condição de cristãos, e que devem comprometer-se com a paróquia e não apenas esperar um serviço sem um compromisso.
            O Frei Lima, sugeriu que os párocos convidassem os missionários que estiveram de serviço nas suas paróquias a passar por lá, uma ou duas vezes no ano, ao menos nas missas vespertinas e dominicais,  para que as pessoas não esqueçam a lufada de ar fresco missionário que passou, mas que deve continuar no dia a dia de cada um e da vida paroquial.


IV - ENCERRAMENTO DAS DUAS SAM
            Falou-se depois do encerramento das duas SAM realizadas, dentro da Celebração do Dia da Diocese da Vila Real, em Valpaços, no dia 31 de Maio.
            Da parte da manhã haverá quatro wokshops e um deles missionário, que ficará  à responsabilidade do padre Jorge Amaro, com a colaboração e participação dos  missionários Frei José Lima, Padre Tavares, e Padre Joaquim Domingos Luís, e as irmãs, Rosalina, Latícia, Maria Mendes e Eugénia Lino.
            A participação dos missionários na parte da tarde, acontecerá na celebração Solene da Eucaristia, e consistirá em três momentos:
              - Integração no Cortejo Solene, com as tochas das paróquias; 2º Recordação, por parte do Senhor Bispo,  das SAM já realizadas nos vários arciprestados da Diocese, (Boticas, Montalegre, Murça, Alijó, Peso da Régua, Vila Real, Mondim de Basto, Ribeira de Pena e Valpaços) e SAM em Chaves, já no próximo mês de Outubro bem como  já em perspectiva nas  Pedras Salgadas) 3º Já no momento final, a entrega simbólica da bíblia, por pare do Sr. D. Amândio, aos missionários e aos leigos representantes de cada paróquia do Arciprestado de Valpaços, dizendo a frase bíblica,  "ide e anunciai o Evangelho".
            Os missionários deixamos aqui uma palavra de profunda gratidão aos Párocos que, fraternalmente, nos receberam, e aos leigos que abriram as portas de suas casas para o nosso descanso noturno e as refeições que nos refizeram as forças. Bem Hajam! Deus vos pague!

Padre Frei José Dias de Lima (Franciscano - OFM)

Sem comentários:

Enviar um comentário